Páginas

Solidão

Dói-me a minha solidão
Você tem a sua
Ele tem a dele
Mas eu não posso
Sentir a sua solidão
Nem a solidão de qualquer outro
Só sei que me sinto só
Pequena não, grande
Solidão de ser um gigante
Porque aos meus pés
Ninguém olha para mim

Aos meus pés
ninguém me vê.

4 comentários:

Ana disse...

Solidão que se desfaz de olhos nos olhos.
Um beijo.

jorge vicente disse...

ou toda a gente te vê, sem olhar

é bom olharmos olhos nos olhos
poema com poema
carícia com carícia
toque com toque

palavra com palavra

temos que encontrar mil e uma maneiras de escrever, sentir, dançar, olhar.

namaste
jorge vicente

acqua disse...

Solidão, esse gigante adormecido que desperta nas mais diferentes horas. Sempre vivo me indagando sobre essa possibilidade, sempre digo que é preciso entender a solidão para tentar entender a si mesmo.
Belo poema...
Abraços meus

Ps. Seu escrito já está devidamente anexado a página do Coletânea. Grata.

O Profeta disse...

Olhando de perto o teu olhar
Vejo raios voando na procura
Anseios depositados no vento
Uma secreta maré de ternura


Vem comigo visitar o vale dos milhafres


Boa semana


Mágico beijo